MISTIC SEAS 3 promove terceiro seminário do projeto

×

Error message

  • Unable to create CTools CSS cache directory. Check the permissions on your files directory.
  • Unable to create CTools CSS cache directory. Check the permissions on your files directory.
Friday, 23 October, 2020

O projeto MISTIC SEAS 3 promoveu, nos dias 22 e 23 de outubro, o seu terceiro seminário via online , devido à pandemia provocada pela COVID-19.

Este seminário, que contou com a presença de todos os parceiros do projeto, teve como objetivo abordar as sinergias e a cooperação entre sub-regiões da Macaronésia, o Golfo da Biscaia e a Costa Ibérica, procurando colmatar alguns lacunas identificadas.

O seminário foi promovido e moderado por Maria Vale, do Fundo Regional para a Ciência e Tecnologia (FRCT) do Governo dos Açores, entidade coordenadora do projeto. O primeiro dia começou com a intervenção de Camilo Saavedra, do Instituto Espanhol de Oceanografia (IEO), que apresentou o Work Package 3 (WP3) 'Avaliação dos descritores da biodiversidade: D4 (redes tróficas), D1 (biodiversidade) e D3 (espécies comerciais)', tendo abordado também o ‘Relatório sobre a integração de D1, D3 e D4 na Macaronésia’.

Posteriormente, Izaskun Preciado, cientista do IEO responsável pela avaliação do descritor 4, salientou a vantagem que a região da Macaronésia possui sobre as restantes regiões da OSPAR, visto que apenas é formada por dois países, facilitando a coordenação e o acordo de metodologias. Discutiu-se a implementação de alguns indicadores propostos pela OSPAR e o que poderia ser alcançado no futuro na Macaronésia em termos da tipologia de indicadores a usar e como implementá-los.

Posteriormente, José Nuno Pereira, da Direção Regional dos Assuntos dos Mar dos Açores (DRAM) apresentou o documento 'Otimização de indicadores e risco ambiental para os indicadores D1, D3 e D4 e introduziu o debate sobre indicadores avaliando as vantagens e desvantagens de usar diferentes fontes de dados (indicadores de reconhecimento científico e desembarques). Concluiu-se que era necessário comparar os indicadores estimados a partir de levantamentos científicos e desembarques e focar-se nas espécies, a partir das quais se podem obter dados de levantamentos e desembarques. Além disso, é necessário mais reconhecimento científico.

Durante a segunda sessão, José A. Carvalho, Direção Regional do Mar da Madeira (DRM) apresentou o relatório das ‘Sinergias e cooperação entre sub-regiões’, cujo documento final está previsto ser finalizado em novembro.

Posteriormente, Vanda Carmo, Direção Regional dos Assuntos do Mar dos Açores (DRAM), apresentou um documento de Orientação Específica, onde foi proposto efetuar-se um questionário para as entidades competentes Europeias em implementar Diretiva-Quadro da Estratégia Marinha , no sentido de avaliar e identificar as suas principais dificuldades.

Orden de aparición: 
1